sábado, 15 de dezembro de 2018   
logo
Nossa Missão
A ABO-RJ é uma entidade com características técnico-científica, culturais, filantrópicas e sociais, constituída por número ilimitado de sócios cirurgiões-dentistas, acadêmicos de Odontologia e demais profissionais afins regularmente inscritos nos respectivos Conselhos.

:: Aspectos Históricos da Odontologia no Brasil
 
Evolução da Odontologia


Pode-se colocar a evolução em três grandes períodos:

1 - Antiguidade
- Da pré-história a Albucassis (ano 1050)
O que nos chega sobre dentes nesse período são referências encontradas em texto descobertos em escavações. O mais antigo é um texto sumeriano (5000 - 3500 aC), denominado "Lenda do verme", descoberto nas cercanias do Vale do Eufrates (2). Geralmente a história diversifica esses achados pelas diferentes civilizações com a descoberta do Código de Hamurabi (2300-2250 aC), todos com referências a problemas dentários e terapêuticas diversas indicadas.

Assim, as civilizações assírio-babilônica, egípicia, grega, etrusca, romana e árabe deram amostras cabais de que algo se fazia para consertar dentes estragados. O destaque maior fica com fenícios e estruscos pelo grande número das descobertas em sarcófagos e escavações (séc. VII aC) (3). Tais achados mostram dentes adaptados de animais ou pessoas aos dentes remanescentes por fios ou anéis de ouro. Encontram-se atualmente guardados no Museu do Louvre, em Paris. As descobertas, que não são muitas, mostram apenas a habilidade de certas pessoas, cuja função, na época, era restaurar as partes humanas provocadas por mutilações. Há ainda uma dúvida: essas peças poderiam ter sido executadas já nos cadáveres, pois os mortos não eram enterrados mutilados, devido a convicções religiosas (3). Por outro lado, os textos de alguns poetas da época fazem referências a dentes postiços, como o romano Marcial, por exemplo.

2 - Idade Média
- De Albucassis (1050) a Fauchard (1728)
A figura e personalidade do dentista só toma forma com a aparecimento do genial Pierre Fauchard (1678-1761), cuja obra "Le Chirurgien Dentiste", com dois volumes, 800 páginas e ilustrações, publicada em 1728, tornou-se clássica.

Há descrições anatômicas do processo alveolar e dos dentes e de sua patologia. Há capítulos dedicados à prótese dentária e inventos com um arco semelhante ao do violino que movimentava uma broca similar à usada por joalheiros e relojoeiros (4).

Pierre Fauchard, como Bach na música, deu o verdadeiro impulso à arte dentária e ficou eternizado como o "Pai da Odontologia", destacando-se entre nomes como os de Nataniel Highmore (1613-1686), André Vesalius (1514-1564), Hieronimus Cardanus (1638), Ambroise Paré (1517-1559), Jacques Guillemeau, Ludwig Cron (1717), Philip Pfaff (1711-1766), Johan Schultes, etc. (1) (2).

É a época em que aparecem publicações descrevendo instrumentos, como a de "De Chirurgie", de Albucassis (1050), são fundadas as primeiras Universidades, como a de Oxford por William of Dunham, em 1249 e é impressa a "Chirurgia Magna"de Gui de Chauliac, em 1478. Os anatomistas, entre eles Leonardo da Vinci, trazem suas observações. Os pintores da época gravam em suas telas a ação dos "dentistas", ora nas ruas, ora em ambientes fechados (2).

3 - Tempos Modernos
- De Fauchard à atualidade
É interessante observar que os tempos modernos começam longinquamente com Fauchard, 250 anos atrás, tal a importância do seu trabalho. Cem anos depois da publicação de sua obra, foi fundado o Baltimore College of Dentistry, por Horace Hayden e Chapin Harris. Já se conhecia o ouro como material restaurador em forma de coroas (Pierre Mouton-1746) e a porcelana fundida em dentadura totais. Já se usava o articulador, inventado J.B. Gariot (1805) e os instrumentos de extração estavam aperfeiçoados. Mais tarde usava-se o ouro coesivo em obturações, uma descoberta revolucionária de Robert Arthur (1819-1890) e fundava-se a primeira casa dentária em Londres: Claudius Ash & Sons (1820). A presença decisiva de Louis Pasteur e um número infindável de descobertas acabaram por dar à Odontologia características próprias que culminaram com a fabricação do motor dentário, em 1871, por James B. Morrison e logo depois por sua adaptação elétrica. Ainda há a descoberta da anestesia por Horace Wells, em 1844, e os estudos específicos em dentisteria restauradora desenvolvidos por Greene Vardman Black (1836-1915), este um grande marco na moderna Odontologia. Entre muitas outras descobertas, os dentistas se especializaram e se diversificaram em periodontistas, endodontistas, protesistas, odontopediatras, traumatologistas, etc.

 Jornalista Responsável: Cíntia de Assis | Desenvolvimento: SR Informática | Realização: ABO-RJ Siga-nos no Facebook Facebook